Dilma foi alvo de retaliação e o impeachment deve ser anulado declara advogado de defesa

Os advogados de Dilma Rousseff pediram a anulação do impeachment da ex-presidente e agora pretendem usar a segunda denúncia contra Michel Temer para embasar o pedido.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o advogado de Dilma, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, verificou que Janot relaciona dois fatos: o apoio do “quadrilhão do PMDB” à queda da petista e à tentativa do grupo de barrar a Operação Lava Jato.

Cardozo deve argumentar que Dilma foi alvo de retaliação, o que invalidaria o impeachment. “Não se pode tratar o impeachment como se fosse uma ilha dissociada de tudo”, diz o ex-ministro. Cardozo considera que a conexão entre fatos apontada na denúncia do procurador é “mais um indício da nulidade do processo contra Dilma”.

Ainda não há data marcada para o julgamento do mandado de segurança, mas o argumento deve ser usado pela defesa da petista nesta oportunidade.

No entanto, antes de deixar o cargo, Janot se manifestou contra o pedido de Dilma. Segundo ele, não houve atuação ilícita de políticos nem na abertura do processo pelo então deputado Eduardo Cunha (PMDB) nem na votação final, no Senado.

O ex-procurador-geral da República disse ainda, em manifestação enviada ao STF, que “seria improvável pressupor que tenha havido um tal concerto escuso, em desfavor da impetrante [Dilma], com tantos atores”.

Janot afirmou que “o processo de impeachment foi autorizado e conduzido com base em motivação idônea e suficiente, não havendo falar em ausência de justa causa”.

Reproduzido por: imprensa1.com

noticiasaominuto.com.br

Foto: estadão/google

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.