Policia Federal prende PM de Sergipe na operação “Reação Adversa”

A Polícia Federal em Sergipe (PF) prendeu na manhã desta sexta-feira, dia 25, na operação denominada “Reação Adversa”em uma residência no bairro Industrial em Aracaju, um policial militar de Sergipe suspeito no envolvimento com uma organização criminosa, instalada nesta capital, responsável pela importação, produção, distribuição e comércio de anabolizantes para diversos estados da federação.

Com a presença de uma guarnição da Policia Militar de Sergipe ( PM) a os policiais da PF conduziram o militar detido para a sede Polícia Federal, localizada na Av. Augusto Franco, no bairro Siqueira Campos. Além do PM, outras pessoas foram presas em outros pontos da capital e vários materiais foram apreendidos.

As investigações tiveram início a partir da prisão em flagrante de um indivíduo, em outubro de 2018, no instante em que tentava despachar aproximadamente 60 (sessenta) unidades de anabolizantes através de empresa de transporte de cargas.

O aprofundamento das investigações revelou a existência de Organização Criminosa estruturada em forma de empresa, cujos membros possuíam funções específicas, tais como a de adquirentes de fármacos diretamente de fornecedores sediados na China, os receptadores dos produtos no Brasil, os encarregados por manipular e produzir os anabolizantes e, por último, os vendedores.

Como forma de manterem ocultas suas identidades, os membros da organização criminosa utilizavam-se de codinomes em suas transações comerciais, bem como criavam perfis em redes sociais, visando o incremento na distribuição dos anabolizantes Para aumentar seus lucros com a venda ilegal, os investigados adulteravam os produtos comercializados bem com enganavam seus “clientes” mediante a troca dos rótulos dos fármacos.

Na cidade de Aracaju foram localizados imóveis que eram utilizados pelo grupo investigado como “laboratório” e como depósito das substâncias produzidas. Destaque-se que tais produtos possuem sua comercialização controlada ou mesmo proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Neste sentido, verifica-se que conduta criminosa praticada além de ferir a legislação penal, atenta contra a saúde pública, pois as substâncias comercializadas são administradas via oral e também injetadas no corpo de seus usuários, na maioria jovens que desconhecem a origem e os perigos envolvidos com o uso desses produtos.

Estima-se que o grupo investigado tenha movimentado mais de 1 milhão de reais em aproximadamente 18 (dezoito) meses de atuação ilícita.

Ante o vasto material probatório amealhado, foram expedidos 08 (oito) Mandados de Busca e Apreensão e 05 (cinco) de Prisão Preventiva pelo Juízo da 1ª Vara Federal de Sergipe, cumpridos nos estados de Sergipe, Bahia e Minas Gerais.

Os envolvidos responderão pela prática de crimes de CONTRABANDO, FALSIFICAÇÃO, CORRUPÇÃO, ADULTERAÇÃO OU ALTERAÇÃO DE PRODUTO DESTINADO A FINS TERAPÊUTICOS OU MEDICINAIS, LAVAGEM DE DINHEIRO e

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA.

O nome REAÇÃO ADVERSA refere-se aos efeitos nocivos dos anabolizantes ao organismo dos seus usuários, similar a ação da Polícia Federal em relação aos investigados.

Será concedida entrevista coletiva na sede da Polícia Federal em Sergipe, às 10h.

Por : Imprensa1  e  Comunicação Social da Polícia Federal em Sergipe

Fotos e Vídeos Alex Carvalho, Julio Moral  e Colaboradores do Imprensa1

1 Trackback / Pingback

  1. PMs de Sergipe e mais quatros pessoas presas na operação "Reação Adversa da PF " são colocados em liberdade – Portal Imprensa 1

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.