Servidores da Segurança Pública podem paralisar as atividades no mês de dezembro

Lideranças buscam inicialmente diálogo direto com o governador Belivaldo Chagas. Nova mobilização ocorrerá dia 9 de dezembro, às 15h, na praça Fausto Cardoso.

Reposição inflacionária, reestruturação das carreiras e melhoria das condições de trabalho. Com essa bandeira de luta coletiva, policiais militares, policiais civis, bombeiros militares, policiais penais, peritos criminais, papiloscopistas e agentes socioeducativos estiveram reunidos na manhã desta quinta-feira, 21, em uma mobilização na capital sergipana. A ação teve como objetivo compartilhar com a sociedade a insatisfação dos profissionais de Segurança Pública frente ao descaso da gestão do governador Belivaldo Chagas com os problemas que afligem todas essas categorias e, por tabela, prejudicam toda a população sergipana.

Os profissionais estiveram reunidos inicialmente no estacionamento do teatro Tobias Barreto e panfletaram aos cidadãos sobre a importância desse ato de luta coletiva. Depois seguiram em caminhada até a frente do Palácio dos Despachos. Para os sindicatos e associações que integram a Frente Unificada, o momento é de tentativa de diálogo com o governador Belivaldo Chagas sem intermediários.

“Todas as categorias estão se sentindo traídas e desvalorizadas pelo governador Belivaldo, porque muito se ouviu das entidades representativas e nada foi feito para minimizar os problemas que afetam atualmente os profissionais de Segurança Pública. É possível que seja necessário paralisar todas as atividades no próximo mês, durante o período das festas de final de ano, mas não é nosso principal objetivo. Por enquanto, nossa busca é por um diálogo com o governador a fim de resolver os problemas em comum”, destacou Adriano Bandeira, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE).

A união das categorias foi algo que chamou a atenção dos motoristas e pedestres que acompanhavam a movimentação dos profissionais na caminhada que seguiu até o Palácio dos Despachos. “Esse momento foi histórico porque ao longo dos anos as categorias se dividiram, uma segregação estimulada pelo próprio Governo. Então essa união representa um marco para todos esses profissionais. A luta coletiva da Frente Unificada dos Operadores de Segurança Pública de Sergipe já é uma realidade e com certeza novas ações virão”, pontuou o sargento PM Vieira, presidente da Associação dos Militares de Sergipe (Amese).

O mesmo sentimento foi compartilhado pelo cabo Willanês dos Santos, presidente da Associação Militar Única. “Esperamos que o Governo do Estado perceba o que está acontecendo, porque é de fato um momento histórico todas essas categorias se unirem em objetivos comuns. Nossa luta coletiva está apenas começando”, comentou o policial militar.

A vontade de lutar por melhorias é tão grande que a policial penal Elisângela Santos participou da mobilização com o filho nos braços. “Vim participar dessa mobilização porque acredito que sem luta a gente não conquista nada para os profissionais de Segurança Pública. Nossos direitos mínimos não estão sendo garantidos pelo Governo e não aguentamos mais. Temos família, somos humanos também e merecemos respeito”, ressaltou.

Próxima mobilização

Os profissionais de Segurança Pública farão novo ato público no dia 9 de dezembro, às 15h, na praça Fausto Cardoso, na capital sergipana. Outras ações coletivas estão sendo programadas pela Frente Unificada dos Operadores de Segurança Pública, composta pelos seguintes sindicatos e associações: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE), Associação dos ilitares do Estado de Sergipe (Amese), Associação Militar Única, Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Sergipe, Associação dos Oficiais Militares de Sergipe (Assomise), Associação Integrada de Mulheres da Segurança Pública em Sergipe (Asimusep), Sindicato da Polícia Técnica de Sergipe (Sinpoltec), Sindicato dos Agentes Penitenciários e Servidores da Sejuc de Sergipe (Sindpen), Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Sergipe (Aspra), Sindicato dos Peritos Oficiais de Sergipe (Sinpose), Associação Sergipana dos Papiloscopistas de Carreira (Aspac) e Sindicato dos Agentes Socioeducativos de Sergipe (Sindasse).

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.